Butch Cassidy

08/08/2006 | Categoria: Críticas

Faroeste cômico tem clima hippie e exala o clima libertário da época em que foi filmado

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★½☆

Não adianta: por mais que diretor, roteirista e equipe de produção de um longa-metragem tentem esconder a época em que ele foi filmado, o resultado final sempre reflete a contemporaneidade das filmagens. Este é o caso de “Butch Cassidy” (EUA, 1969) faroeste cômico que não apenas subverte o gênero a que pertence, mas também possui impressa em cada polegada de celulóide a atmosfera libertária, quase hippie, da virada entre as décadas dd 1960 e 70, quando foi produzido.

A rigor, a produção surgiu no momento em que o western clássico dava os últimos suspiros. Para as platéias jovens, as narrativas tradicionais do Velho Oeste não eram mais suficientes. Sam Peckinpah registrou esse momento de transição em diversos filmes que mais pareciam lamentos fúnebres (“Pistoleiros do Entardecer”, “Meu Ódio Será Sua Herança” e vários outros). Já “Butch Cassidy” também tenta uma receita nova, mas toma um rumo completamente diferente, apostando em humor, números musicais e belas paisagens naturais.

Um dos maiores destaques da produção é a extraordinária fotografia de Conrad Hall (“Beleza Americana”). O fotógrafo, já se tornando um dos grandes em Hollywood, utilizou diversas técnicas inovadoras para criar amplos contrastes de estilo dentro da narrativa, indo desde criativas montagens de fotos estáticas até uma abertura em pesados tons de sépia que traduzem magnificamente o introspectivo personagem Sundance Kid (Robert Redford, no primeiro grande papel de uma carreira genial).

Na maior parte do filme, sobressaem as belíssimas paisagens naturais do Arizona, com cânions de vegetação verde, imagens ensolaradas e paredões de pedra avermelhada pontuando o pôr-do-sol fantástico da região. O visual está em sintonia com os valores da geração flower power, a quem o filme se dirigia. E a música riponga que acompanha o filme acentua ainda mais essa impressão.

“Butch Cassidy” segue a tradição bem norte-americana de biografar, de modo romantizado e pouco fiel à realidade, mitos do passado do país. Assim, a trajetória da dupla de ladrões (o líder, Butch, é interpretado por Paul Newman, então um astro) é deliberadamente distorcida, embora os fatos principais – a fuga da dupla à Bolívia, por exemplo – tenham sido mantidos na história. Uma das grandes sacadas do roteirista William Goldman foi dar a Cassidy uma personalidade jovial e falante, o que ajuda bastante na dinâmica da dupla. Ele faz contraponto perfeito à expressão neutra e muda do parceiro.

A influência mais sentida é de “Bonnie & Clyde”, feito dois anos antes por Arthur Penn e marco fundamental de um dos momentos mais criativos do cinema americano. O longa de 1967 também apresentava uma dupla de ladrões simpáticos, joviais, bonitos e charmosos. George Roy Hill, porém, evita excessos de violência e pontua a narrativa com inusitados números musicais (o mais conhecido e extravagante mostra Butch passeando alegremente de bicicleta com a namorada do parceiro), além de esticar ao máximo uma longa seqüência de perseguição que ocupa quase todo o segundo ato do filme.

O resultado final não é exatamente um clássico, mas ainda assim sustenta grande interesse. Com o tempo, “Butch Cassidy” se tornou um filme importantíssimo no período de transição do cinema feito nos EUA na época, que abria espaço para uma geração jovem, corajosa e extremamente interessada em romper com os paradigmas do filme clássico de Hollywood. Por esta razão, o filme ganhou vida longa.

Há no Brasil duas versões do filme, ambas da Fox. A simples contém o filme (imagem widescreen anamórfica e som Dolby Digital 2.0), comentário em áudio, um curto making of e entrevistas com a equipe. A dupla traz o filme (com as mesmas características técnicas, mas restaurado) no disco 1, acompanhado de comentário em áudio com diretor, fotógrafo e dois produtores. No segundo DVD, quatro documentários (180 minutos) abordam os bastidores e histórias verdadeiras sobre os dois personagens do título. Há ainda galeria de entrevistas com atores e membros da equipe técnica, tudo legendado em português.

– Butch Cassidy (EUA, 1969)
Direção: George Roy Hill
Elenco: Paul Newman, Robert Redford, Katharine Ross, Strother Martin
Duração: 110 minutos

| Mais


Deixar comentário