Contatos Imediatos do Terceiro Grau

14/11/2007 | Categoria: Críticas

Filme de Spielberg mescla com excelência efeitos especiais arrojados e história humana

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★★½

A vida extraterrestre é um tema que fascina cientistas e artistas de diversas mídias – escritores, pintores, cineastas – há décadas. A possibilidade de que seres com inteligência e capacidade tecnológica superiores à raça humana possam nos fazer uma visitinha, contudo, tem sido quase sempre associada às más intenções das criaturas alienígenas. Steven Spielberg foi o primeiro cineasta a imaginar o oposto: um encontro entre humanos e extraterrestres que fosse amistoso. “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” (Close Encounters of the Third Kind, EUA, 1977) é um filme incomum, que captura com precisão o senso de irrealidade e encantamento desse encontro hipotético.

Em 1977, quando embarcou na idéia, Spielberg ainda não era o poderoso cineasta e produtor que viria a se tornar nos anos seguintes, mas já tinha bastante cacife dentro da indústria cinematográfica. Afinal, ele fora o responsável pelo início da era dos filmes-evento, os chamados blockbusters, após lançar “Tubarão” durante a temporada de verão de 1975 e bater todos os recordes de bilheteria precedentes. Por isso obteve financiamento para um projeto que, de outro modo, parecia fadado à geladeira: um filme sobre visita alienígena à Terra que é focada em um homem absolutamente comum.

Roy Neary (Richard Dreyfuss) trabalha fazendo reparos em redes elétricas e vive na pequena cidade de Muncie, em Indiana, no interior dos EUA,. Leva uma vida absolutamente trivial com a família. Depois de presenciar uma estranha aparição de luzes sobrevoando os céus em alta velocidade, porém, Neary começa a apresentar um comportamento esquisito. Aos poucos, ele se distancia da mulher e do filho de três anos, Barry (Cary Guffey), enquanto se mostra obcecado por uma forma bizarra que parece uma montanha, mas que ninguém da redondeza sabe onde fica.

Em paralelo ao drama familiar de Roy, Spielberg brinda o espectador com os primeiros fenômenos inexplicáveis que indicam a presença de forças desconhecidas na Terra. É o caso da aparição, no meio do deserto africano de Gobi, de uma embarcação desaparecida há muitos anos. Claude Lacombe (o diretor francês François Truffaut, em atuação memorável) é o cientista escolhido para investigar o fenômeno. As trajetórias de Lacombe e Neary vão se cruzar à frente, após uma série de aventuras cheias de lances surpreendente e cheios de tensão.

Spielberg dá, aqui, mais uma demonstração do imenso talento que possui para conduzir tramas que mesclam o elemento pessoal, humano, ao uso arrojado, mas sempre consciente, de efeitos especiais. Como em “Tubarão”, “E.T.” e tantos outros filmes, ele submete pessoas comuns a eventos extraordinários – e essa frase é inclusive pronunciada por Lacombe, em certo momento do longa-metragem. Faz isso caprichando nos efeitos simples e eficientes, como a movimentação bizarrra e rápida de nuvens que indicam a presença dos alienígenas (o efeito era conseguido jogando tinta branca em bacias de água com sal, e mesclando essas cenas ao céu filmado posteriormente).

Além disso, a perfeita construção do personagem de Roy Neary realiza de forma bem-sucedida a construção da atmosfera de irrealidade que permeia a produção. Roy é um ótimo pai e bom profissional que, devido a causas externas, de repente causa uma crise familiar. Alguém já disse (não lembro o autor) que Roy seria o pai ausente de Elliot, o garotinho protagonista do filme seguinte do diretor, “E.T.”. É uma descrição perfeita. Spielberg consegue a proeza de inserir no enredo uma de suas marcas pessoais – o divórcio e as relações familiares – de maneira que funciona a favor, e não contra, a história. “Contatos Imediatos do Terceiro Grau” é bem amarrado, inteligente e possui uma clímax sensacional, desses capazes de maravilhar o espectador e mantê-lo sentado diante da tela mesmo que uma invasão alienígena esteja acontecendo do lado de fora.

O DVD, duplo, é um lançamento da Columbia. O primeiro disco contém o filme, com enquadramento original (widescreen 2.35:1), trilhas de áudio em formatos DTS (o melhor, em inglês) e Dolby Digital 5.1 (em inglês e português). O segundo disco tem um excelente documentário de 120 minutos, repleto de entrevistas atuais com Spielberg e o elenco. Há ainda um featurette (11 minutos) original de 1977, uma galeria com 11 cenas cortadas e dois trailers, sendo um bastante curioso (o de 1977, que lembra um pouco um documentário, com entrevista de Spielberg e tudo) e outro trivial. A edição especial tripla contém basicamente os mesmos extras, e traz ainda três diferentes edições do filme, incluindo uma que traz cenas (feitas anos após as gravações originais) dentro da nave alien.

– Contatos Imediatos do Terceiro Grau (Close Encounters of the Third Kind, EUA, 1977)
Direção: Steven Spielberg
Elenco: Richard Dreyfuss, François Truffaut, Teri Garr, Melinda Dillon
Duração: 137 minutos

| Mais


Deixar comentário