Curtas da Pixar

09/01/2008 | Categoria: Críticas

Coleção de curtas produzidos pela Pixar reforça a imensa qualidade narrativa e cinematográfica da empresa

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★★★

A Pixar inaugurou em 1998 o saudável hábito de exibir nos cinemas um curta-metragem inédito, criado pelo talentoso time do estúdio, antes de cada longa-metragem lançado pela empresa. O duplo objetivo da empresa era desenvolver novas técnicas de animação para futuros lançamentos, além de dar experiência aos cineastas mais jovens da equipe. A receptividade do público à idéia foi espetacular. Por isso, a estratégia continua a ser repetida regularmente, a cada novo filme em cartaz, e não é raro ouvir de espectadores, à saída das salas de cinema, que a sobremesa tinha sido boa – ou melhor! – do que o prato principal.

Considerando a qualidade sempre impecável de cada produto da Pixar, não é difícil deduzir que os curtas compõem, juntos, uma coleção divertida e de enorme qualidade. Até outubro de 2007, este material estava acessível ao público, mas apenas separadamente (cada longa lançado em DVD vinha acompanhado do curta que tinha sido exibido como prévia nas salas de projeção). O maior mérito de “Curtas da Pixar” (Pixar Short Films Collection – Volume 1, EUA, 2007) é unir, num único pacote, todos os 13 curtas produzidos nas duas décadas de história da companhia. Juntos, eles não chegam a somar uma hora de projeção – mas garantem 55 minutos da mais deliciosa diversão, com qualidade cinematográfica impecável.

Por causa da economia narrativa fundamental para o sucesso de um curta, quase todos os curtas dispensam os diálogos. Apenas quatro dos 13 filmes usam palavras na narrativa – um deles (“Boundin’”) é musical, e os outros três reapresentam personagens de longas da empresa em aventuras rápidas, tendo sido lançados como bônus em DVD ao invés de exibidos nos cinemas. A ausência de diálogos reafirma o nível superior de dramatização cinematográfica produzido pela Pixar, pois o espectador não tem a mínima dificuldade, em nenhum momento de qualquer dos curtas, para entender a narrativa. A ausência de diálogos e a curta duração das piadas também garantem que o DVD seja perfeito para crianças pequenas, aquelas com dificuldade para manter a atenção por duas horas ou sem vocabulário muito sofisticado. A seguir, comentários rápidos sobre cada curta.

» The Adventures of André & Wally B. (1984)
A empresa nem tinha sido ainda batizada de Pixar quando John Lasseter escreveu e dirigiu a historinha do garoto que tenta evitar a picada de uma abelha na floresta. É o mais curto do pacote, e divertido. Demonstra claramente a linha que a empresa seguiria em curtas posteriores, com preferência para gags físicas. (1:49)

» Luxo Jr. (1986)
Um prodígio engenhoso de narrativa concisa. Um abajur maior assiste a um menor brincando com uma bola. A movimentação dos bonecos é tão fluida e perfeita que até uma criança de três anos entende que se tratam de pai e filho, sem que ninguém diga isso a ela. Dezenas de cineastas passam a vida inteira filmando e não conseguem produzir algo do mesmo nível. (2:08)

» Red’s Dream (1987)
Nunca tinha sido lançado em DVD. Acompanha os sonhos circenses de um monociclo dentro de uma loja de bicicletas. Segue a linha do curta anterior, é muito engraçado e também já antevém um pouco o que a Pixar faria em “Toy Story”, alguns anos depois. (4:10)

» Tin Toy (1988)
Vencedor do Oscar de melhor curta, mostra as brincadeiras solitárias de um bebê desajeitado e adorável, sob o ponto de vista aterrorizado de um brinquedo minúsculo. A qualidade da animação é sofrível (o neném, então, mais parece um boneco de massa mal modelado), mas o curta rende boas gargalhadas. Mais um passo adiante no conceito que levaria a “Toy Story”. (5:09)

» Knick Knack (1989)
Uma miniatura de boneco de neve tenta escapar de sua redoma de vidro para ter um encontro amoroso com uma boneca sensual. A trilha sonora, com uma versão instrumental hilariante de “Don’t Worry, Be Happy”, ajuda a narrar a história de um dos melhores curtas da Pixar. Pena que a Disney, puritana como sempre, exigiu a redução do tamanho dos seios das bonecas para liberar a obra. Censura ridícula. (3:34)

» Geri’s Game (1998)
Numa bela tarde de outono, um velhinho se diverte no parque jogando xadrez contra si mesmo. Menos engraçada, a narrativa cria tensão e suspense, e traz um final bem original. A qualidade da animação é espetacular, principalmente no cenário e no uso de cores em tons pastéis. Vencedor do Oscar de melhor curta. (4:50)

» For the Birds (2001)
Um bando de passarinhos azuis protestam contra a presença de um pássaro maior no mesmo fio telefônico. Filme de uma piada só, contada de forma perfeitamente controlada. Impecável, brilhante mesmo, talvez o melhor de todos os curtas da empresa. Vencedor do Oscar da categoria. (3:21)

» Mike’s New Car (2002)
Produzido especialmente para o DVD de “Monstros S/A”, reapresenta os dois protagonistas do longa, examinando pela primeira vez o automóvel comprado pelo baixinho Mike. Um dos curtas mais fracos da Pixar. (3:46)

» Boundin’ (2004)
Musical sobre uma ovelha dançarina que entra em depressão depois da tosquia. Bem diferente dos demais curtas do pacote, explora diversos cenários e tem rimas engraçadas, embora pareça mais fraco quando colocado ao lado de tanta coisa boa. Passou nos cinemas antes de “Os Incríveis”. (4:40)

» Jack-Jack Attack (2005)
Mais parece uma cena cortada de “Os Incríveis” do que um curta. Feito especialmente para o DVD do longa, tem o mesmo senso de humor (meio demente, meio infantil) do longa. Gargalhadas garantidas. (4:42)

» One Man Band (2005)
Dois músicos polivalentes disputam a única moeda de uma criança. Animação espetacular, com divino trabalho de cores e texturas. É um musical com excelente trilha sonora e condução perfeita rumo a um final digno dos melhores curtas de Charles Chaplin. Belo filme. (4:30)

» Mater and the Ghostlight (2006)
A caminhonete caindo aos pedaços de “Carros” enfrenta uma ameaça sobrenatural – ou pelo menos é o que ele pensa. Feito especialmente para o DVD de “Carros”, é o curta mais fraco do pacote. (7:07)

» Lifted (2007)
O treinamento de um piloto novato de disco voador consiste em abduzir um homem profundamente adormecido. Dirigido pelo veterano editor de som Gary Rydstrom, é divertidíssimo. Por razões óbvias, a edição de som é responsável pela maioria das risadas. Exibido nos cinemas antes de “Ratatouille”. (5:00)

O DVD da Buena Vista faz mais do que simplesmente reunir os filmes, com qualidade impecável de imagem e áudio (ambos em vários formatos, dependendo da época em que foram produzidos). Cada curta vem acompanhado de comentário em áudio reunindo diretor e equipe (a única exceção é “Jack-Jack Attack”, ou “O Ataque do Zezé” no Brasil). Há um documentários reconstituindo a história dos curtas (25 minutos), quatro esquetes de um minuto cada reunindo os personagens de “Luxo Jr.”, e um rascunho animado deste mesmo curta, feito com papel e caneta. Para fãs da Pixar, uma coletânea espetacular.

– Curtas da Pixar (Pixar Short Films Collection – Volume 1, EUA, 2007)
Direção: John Lasseter e outros cineastas da Pixar
Animação (13 curtas-metragens)
Duração: 55 minutos

| Mais
Tags:


Deixar comentário