Estrada da Morte

29/09/2006 | Categoria: Críticas

Larry Cohen retorna à direção filmando choque entre dois serial killers com humor insano

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★½☆☆

Uma das virtudes mais bacanas da telessérie “Mestres do Terror”, que teve a primeira temporada exibida pelo canal Showtime em 2005, foi recolocar na mídia cineastas de qualidade, que andavam marcando passo em projetos menores. O caso de Larry Cohen foi um dos mais exemplares. O delirante diretor (cheque o bizarro “Foi Deus Quem Mandou”, disponível no Brasil em DVD) concebeu uma série de relativo sucesso (“Nasceu um Monstro”) nos anos 1970, mas não foi capaz de se manter na crista da onda e sumiu. Assumiu a carapuça de roteirista, escrevendo thrillers interessantes (“Por um Fio”) para outros dirigirem. Mas seu talento como contador de histórias não arrefeceu.

“Estrada da Morte” (Pick Me Up, EUA, 2005), média-metragem que fez para a série, é uma prova disso. O filme é tudo aquilo que os fãs de filmes com assassinos seriais esperavam do decepcionante encontro de Jason “Sexta-feira 13” Vorhees e Freddy Kruger: uma história cheia de agilidade e humor, com interpretações deliciosamente exageradas. O filme imagina o choque entre dois serial killers numa região deserta dos Estados Unidos. Um deles vive de pé na estrada, matando quem lhe dá carona, e o outro é um caminhoneiro especializado em assassinar caroneiros. Quem sai inteiro desse encontro?

Além de assumir claramente as influências básicas – é mais ou menos como se o enlouquecido motorista de “Encurralado” (1971) encontrasse numa viagem o loiro demente de “A Morte Pede Carona” (1986) –, Larry Cohen acerta a mão ao evitar a tentação de colocar um dos dois assassinos, ou ambos, como protagonista da aventura. A personagem principal é uma heroína, gente normal, que representa o espectador na história. Como o colega Don Coscarelli já havia feito em “Pânico na Montanha”, episódio anterior da série, não se trata de uma moça ingênua e indefesa. Stacia (Fairuza Balk, de “Quase Famosos”) é solitária, desconfiada e cheia de tatuagens.

Ela recusa uma carona de Wheeler (Michael Moriarty), anda até um hotel de beira de estrada e se hospeda no quarto ao lado de Walker (Warren Kole), virando dessa forma um alvo em potencial para os dois assassinos barra-pesada. Para completar a bizarrice bem-humorada, Larry Cohen ainda tem a manha de fazer com que os matadores descubram a verdade um sobre o outro, criando assim uma espécie de competição insana: quem vai conseguir matar a menina primeiro? Dessa forma, o esperadíssimo choque entre os dois assassinos põe uma heroína no meio – e o diretor ainda dá um jeito de criar uma cena esperta para transformar essa metáfora em uma imagem literal.

“Estrada da Morte” não apela para cenas de violência explícita, preferindo trilhar o caminho do humor demente, com piadas escondidas pelo caminho como pedras preciosas (caso você não tenha percebido, tente traduzir por exemplo os nomes dos dois matadores). O ritmo do filme é bem ágil, e a trama vai afunilando com boa dose de tensão, até ocorrer o confronto final. E se você acha que sabe como a trama vai acabar, pense de novo – o final é uma verdadeira pérola de humor negro. Em suma, um dos melhores episódios da série.

O DVD brasileiro ganha lançamento pelas mãos da Paris Filmes. A qualidade geral é fraca. O disco é simples e traz o filme com o enquadramento original de imagem (letterbox 4:3, que preserva o formato 1.77:1), com áudio em dois canais (Dolby Digital 2.0). Como extra, um making of. A decepção é maior quando sabemos que a Anchor Bay preparou uma edição bem mais recheada para os Estados Unidos, trazendo o vídeo em formato wide anamórfico (que também preserva o enquadramento original e tem resolução melhor da imagem), som em seis canais (Dolby Digital 5.1) e uma série de extras, incluindo comentário em áudio do diretor, perfil do autor do filme, entrevistas com os atores e cenas cortadas.

– Estrada da Morte (Pick Me Up, EUA, 2005)
Direção: Larry Cohen
Elenco:Fairuza Balk, Michael Moriarty, Warren Kole, Laurene Landon
Duração: 58 minutos

| Mais
Tags:


Deixar comentário