Friends – 3ª Temporada

01/01/2004 | Categoria: Críticas

Terceiro ano da série flagra sextato fazendo sucesso, mas é menos engraçado do que os anteriores

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★☆☆

Jamais fui um espectador assíduo do seriado “Friends” na televisão a cabo. Aliás, nunca tive o costume de acompanhar nenhuma série norte-americana na TV, embora vários amigos me recomendassem uma ou outra. Minha primeira experiência com “Friends” aconteceu em 2001, quando comecei a passar os finais de semana com minha então namorada (hoje esposa). Ela era fã de “Friends” e, por coincidência, o canal que exibia a série estava realizando longas maratonas, transmitindo todos os episódios em seqüências de oito horas consecutivas.

Assim, assisti a vários episódios e me tornei, também, um fã. Tudo bem, demorei um pouco a me acostumar ao timing dos seriados norte-americanos. Eles utilizam com naturalidade, por exemplo, a pavorosa claque (uma platéia artificial que dá gargalhadas de vez em quando, supostamente para funcionar como pista para que o espectador dê risada na hora certa). Não existe direção; as cenas são um amontoado de planos e contra-planos, com a luz e os cenários invariavelmente iguais. Mesmo assim, “Friends” é diversão descerebrada de ótimo nível.

Por que estou contando tudo isso? Para explicar que, apesar das boas risadas que dei ao assistir aos 25 episódios da terceira temporada, percebi também que eles marcam um momento de escassez criativa dos criadores da série. Mas não dá para perceber isso vendo os esquetes (cada episódio tem cerca de 24 minutos) isoladamente. É preciso assistir a tudo, bem como ter visto as primeiras duas temporadas (também disponíveis no Brasil em DVD), e fazer a comparação. O resultado, pelo menos a meu ver, mostra que a terceira temporada de “Friends” não é um momento particularmente bom da série, apesar de, a essa altura (1996/1997), ela ser extremamente popular nos EUA.

O maior problema, a meu ver, está numa escolha simples da equipe criativa do seriado. Na terceira temporada, eles ainda não haviam percebido que o foco de interesse maior da série está no relacionamento do casal Ross (David Schwimmer) e Rachel (Jennifer Aniston). Assim, depois de passarem quase toda a segunda temporada brigando, os dois finalmente estão juntos e apaixonados no ano seguinte. Ao fazer isso, os roteiristas tentaram entregar a tensão sexual (maior problema dramático enfrentado pelos personagens da série) aos demais amigos, especialmente Chandler (Matthew Perry) e Monica (Courtney Cox Arquette).

Resultado: não funciona. Isoladamente, muitos episódios cumprem a função de divertir com eficiência, mas os melhores são sempre aqueles que investem nas confusões entre Ross e Rachel. Num deles, a garota começa a trabalhar numa loja de moda feminina e o namorado morre de ciúmes do novo chefe dela. Quando eles “dão um tempo” (o que acontece no terceiro disco do pacote), o seriado volta a crescer em qualidade, combinando drama urbano (devidamente suavizado para provocar gagalhadas) e comédia. Por isso, a terceira temporada é meio desigual e não atinge o mesmo nível das duas primeiras.

Quanto à qualidade técnica do DVD brasileiro, continua a mesma, o que é uma vantagem do pacote. A caixa mantém o padrão gráfico das duas anteriores (agora em tom verde). O conteúdo continua distribuído em quatro discos, cada um contendo seis episódios, com exceção do primeiro, que tem sete. Entre os extras, existem alguns com comentários em áudio de produtores e roteiristas, sem legendas. O som mantém o padrão Dolby Digital 5.1, embora sem uso acentuado dos canais traseiros. Existe, ainda, uma trívia e uma pequena galeria de imagens de cada personagem, além de alguns minutos extras de cenas cortadas, inseridas em cada episódio.

– Friends – 3ª Temporada
Elenco: Courtney Cox Arquette, Matthew Perry, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, David Schwimmer, Jennifer Aniston
Duração: 588 minutos

| Mais


Assine os feeds dos comentários deste texto


2 comentários
Comente! »