Mighty Wind, A

07/03/2007 | Categoria: Críticas

Falso documentário sobre concerto de música folk é uma espécie de continuação de “Isto é Spinal Tap”

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★½☆

Comediante (de mão cheia) e músico (razoável), Christopher Guest curtiu tanto a experiência de fazer o falso documentário “Isto é Spinal Tap” (1984) que adotou o gênero em definitivo, ao abraçar a carreira de diretor. Em “Waiting for Guffman” (1996) e “O Melhor do Show” (2002), Guest explorou diversas possibilidades criativas do estilo e aproveitou para reunir em torno de si um grupo respeitável de atores, que o acompanhariam em todos os projetos futuros. O verdadeiro sucessor do hilariante sucesso de 1984, contudo, é este “A Mighty Wind” (EUA, 2003), que mais uma vez satiriza, de forma carinhosa, os bastidores do show business, alterando apenas o estilo – saem as guitarras distorcidas do heavy metal, entram os violões acústicos da folk music.

Escrito pelo próprio Guest e pelo ótimo ator Eugene Levy (conhecido do grande público por interpretar o pai do protagonista na série cômica teen “American Pie”), o filme adota o formato documental para narrar a produção de um fictício concerto de homenagem póstuma a um dos mais influentes produtores de música folk dos EUA. Organizado pelos três filhos do falecido, o show especial será transmitido pela TV e terá como atrações três grandes grupos folk, reunidos especialmente para a ocasião. O filme acompanha os “músicos” tirando a ferrugem, mostra em paralelo os esforços dos produtores para conceber um bom espetáculo, e finaliza com o concerto propriamente dito, devidamente incrementado por imprevistos hilariantes.

“A Mighty Wind” captura perfeitamente o tipo de humor sutil e inteligente da equipe liderada por Christopher Guest. Embora haja cenas divertidas em quantidade suficiente para deliciar qualquer apreciador de humor suave e certeiro, a enorme quantidade de referências obscuras a detalhes do show business faz do filme um programa perfeito para amantes de música em geral. De fato, o longa-metragem fica a meio caminho entre o mockumentary (o falso documentário) e o musical clássico. As canções, compostas pelo trio Guest, Michael McKean e Harry Shearer (amigos e parceiros que interpretam o trio de músicos em “Spinal Tap”), têm boa qualidade, e emulam perfeitamente clássicos do estilo, satirizando grande número de sucessos do gênero.

Espectadores ligados em música notarão, por exemplo, que “A Mighty Wind” brinca com os três formatos de banda mais comuns no folk: a dupla de trovadores (Mitch & Mickey), o trio acústico (The Folksmen) e o grupo vocal (The New Main Street Singers), tudo com um senso de humor delicado e uma leveza que não encontra paralelo no tipo de comédia grosseira predominante no cinema mainstream. O alto astral dos bastidores – Guest observou, em entrevistas sobre a produção, que os atores quase não usavam os trailers, preferindo ficar olhando as cenas dos outros enquanto riam de rachar o bico – transparece na tela, e isto transforma “A Mighty Wind” em uma comédia bastante alto astral.

Além disso, o elenco é excelente e uniforme. O maior destaque vai para a espetacular caracterização de Levy como um ermitão perturbado (a seqüência que relembra em flashback sua carreira discográfica é uma das mais engraçadas), rendendo gargalhadas sem que ele precise sequer abrir a boca. Se como comédia “A Mighty Wind” é ótimo, como musical não fica atrás – é tão legal que obteve até mesmo uma indicação ao Oscar de melhor canção, com a singela balada cantada por Mitch & Mickey. Vale ressaltar que Levy e O’Hara compareceram à entrega do prêmio caracterizados, e acabaram apontados como um dos grandes destaques da cerimônia de 2004.

O filme não existe no Brasil em DVD, apesar de ter sido exibido no canal fechado HBO. Nos EUA, o disco simples tem o filme (wide 1.85:1 anamórfico, Dolby Digital 5.1) e uma série de extras: comentário em áudio com os roteiristas Guest e Levy, quinze cenas inéditas (30 minutos), o show-homenagem completo com todas as músicas na íntegra, e dois clipes antigos (falsos, claro) de bandas enfocadas no filme. Coisa fina.

– A Mighty Wind (EUA, 2003)
Direção: Christopher Guest
Elenco: Eugene Levy, Catherine O’Hara, Bob Balaban, Parker Posey
Duração: 92 minutos

| Mais


Deixar comentário