Missão Impossível

05/05/2006 | Categoria: Críticas

Primeiro exemplar da franquia com Tom Cruise é uma aventura deliciosa com pelo menos uma grande cena

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★★☆

“Missão Impossível” (Mission: Impossible, EUA, 1996), primeiro longa-metragem da franquia inspirada na série de TV existente nos anos 1970, marcou um rito de passagem para o astro Tom Cruise. O projeto representava, para ele, algo mais do que um simples filme; era um passo fundamental no sentido de ganhar poder verdadeiro em Hollywood. Com o filme, o ator mais famoso de Hollywood inaugurou uma produtora milionária e deu o salto definitivo para se te tornar o nome mais reluzente da indústria cinematográfica. Ao decidir dar esse passo, Cruise sabia que o filme precisava ser bom o bastante para faturar uma bolada, capitalizar a produtora e firmar uma franquia lucrativa, que ele poderia revisitar sempre que os negócios começassem a empalidecer.

A empreitada foi um sucesso, graças à decisão de contratar, para dirigir o longa-metragem, não um diretor de estilo burocrático e impessoal, mas um cineasta autoral, de estilo próprio e com talento comprovado. O escolhido foi Brian De Palma, o nome menos famoso da geração que deu ao mundo nomes como Steven Spielberg, George Lucas e Francis Ford Coppola. O grupo de amigos, egresso da Universidade da Califórnia (EUA), mudou a cara do cinema norte-americano em meados dos anos 1970. Por razões complexas que não cabem neste texto, De Palma acabou ficando em segundo plano, talvez por passar ao público a imagem de imitador de Hitchcock. É um rótulo injusto para alguém que fez filmes interessantes como “Carrie, a Estranha” (1976) e “Os Intocáveis” (1987). Cruise se aproveitou da pouca fama do homem para pô-lo no comando da produção sem gastar muito com o salário.

A estratégia deu resultado. Mesmo sem apresentar a mesma criatividade que aflorava nos trabalhos mais autorais, De Palma dirigiu uma aventura contagiante, cheia de energia e com pelo menos uma seqüência sensacional, que entrou direto para a galeria dos melhores momentos produzidos em Hollywood durante os anos 1990: a cena em que o agente secreto Ethan Hunt (Tom Cruise) invade a sede da CIA, pelo teto, para resgatar um documento secreto, supostamente guardado em uma sala inviolável, cujo piso possui um dispositivo de alarme capaz de ser acionado até por uma gota de suor. A cena é um primor de tensão que deixa qualquer espectador grudado na cadeia. Só ela já valeria o filme.

Mas as virtudes não param por aí. A história, escrita por David Koepp (futuro roteirista de “Homem-Aranha” e “Guerra dos Mundos”) e Robert Towne (autor do magistral “Chinatown”), é uma delícia, criando uma trama cheia de reviravoltas sobre um traidor de identidade desconhecida dentro de um seletíssimo grupo de espiões. Durante uma operação em Praga, na República Tcheca, quase todo o time de Ethan Hunt é assassinado. Responsabilizado pelo massacre, ele não tem alternativa a não ser fugir. Então, busca aliados em um grupo de agentes renegados que vivem na Europa e tenta descobrir quem é o verdadeiro traidor, para limpar sua barra e poder continuar vivo.

Além da sensacional seqüência dentro da CIA, há pelo menos outra grande cena no filme, um epílogo alucinado em que um helicóptero voa dentro de um túnel de trem, em perseguição ao herói. Tudo bem exagerado, como convém ao gênero popularizado pelo sedutor James Bond. De fato, o espião Ethan Hunt funciona como uma versão norte-americana, mais jovem e menos glamourosa do que o eterno 007. “Missão Impossível” é o tipo de filme que não quer mudar o mundo, mas acompanhado de um balde de pipoca é um programa irresistível.

Há duas versões em DVD no Brasil, ambas da Paramount. A simples contém somente o filme, com formato de imagem original (wide 2.35:1) e som OK (Dolby Digital 5.1). A edição especial é dupla, com o disco 1 idêntico ao lançamento simples. O disco 2 tem nove spots de TV, dois trailers e cinco featurettes (34 minutos ao todo), contendo entrevistas e cenas de bastidores. Não é especialmente digna de atenção, mas para os fãs, pode ser uma boa.

– Missão Impossível (Mission: Impossible, EUA, 1996)
Direção: Brian De Palma
Elenco: Tom Cruise, Jon Voight, Emmanuele Béart, Jean Reno, Ving Rhames
Duração: 110 minutos

| Mais


Deixar comentário