Poderoso Chefão, O – Trilogia

30/10/2008 | Categoria: Críticas

Saga épica de três gerações de família mafiosa está entre as maiores e mais ambiciosas obras do cinema, disponível no Brasil em vários formatos

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★★★

Todo mundo já ouviu falar (bem!) da trilogia “O Poderoso Chefão”. A maioria das pessoas já assistiu a pelo menos um dos três filmes. Se não viu ainda, precisa correr a uma loja ou locadora de DVDs. O trio de filmes está disponível em diversos pacotes, isolados ou reunidos em caixas de luxo, com som e imagem de primeira qualidade. Os dois boxes lançados pela Paramount contendo as obra-primas de Francis Ford Coppola estão, com certeza, entre as melhores edições já vistas em DVD. A trilogia está disponível em vários formatos. Os filmes podem ser adquiridos em separado ou em caixas de três, quatro ou cinco discos.

A importância da saga da família de mafiosos ítalo-americanos na história do cinema é tão grande que as referências visuais a ela se multiplicam em filmes recentes, desde as referências explícitas de comédias como “Máfia no Divã” até a impagável telessérie “Família Soprano”. Todos, absolutamente TODOS os filmes sobre máfia resgatam maneirismos dessa trilogia inesquecível, uma verdadeira ópera estilizada, com todos os ingredientes que uma tragédia moderna poderia exigir: personagens complexos e fascinantes, fotografia deslumbrante das ruas de Nova York, atuações impecáveis (Marlon Brando, Robert De Niro e principalmente Al Pacino) e roteiros espetaculares.

Quem adquirir a trilogia terá nas mãos produtos irrepreensíveis. A caixinha lançada em 2001 (disponível em versões com quatro e cinco discos, essa última contendo um DVD exclusivo de extras, com mais de três horas de documentários) já era maravilhosa, e a restauração realizada em 2008 deixou tudo ainda melhor. Os 543 minutos dos três filmes tiveram o som remixado e restaurado para cinco canais digitais e a imagem ganhou nitidez inédita, através de um processo minucioso de recriação digital do negativo original, danificado pelo tempo e pelo armazenamento em condições inadequadas.

A caixa de 2001 tem um quinto disco (o segundo filme, com 200 minutos, está em dois discos) apenas de extras, dedicado a esmiuçar os bastidores das filmagens num conjunto de dezoito documentários e featurettes (pequenos documentários temáticos) que oferecem uma visão histórica completa do trabalho. Além disso, ainda há 35 cenas cortadas das edições finais, com mais 60 minutos, e pelo menos três extras escondidos, todos deliciosamente engraçados. O disco de extras da edição de 2008 é diferente, e contém um novo conjunto de seis featurettes, comando mais 80 minutos de material extra. É uma pena que, nesta edição, o disco de extras feito em 2001 não tenha sido incluído.

Se você é um daqueles espectadores que acham os documentários de DVDs um tanto quanto burocráticos, todo o material extra sobre “O Poderoso Chefão” foi feito para você. O disco de extras feito em 2001 tem como prato principal um documentário chamado “A Look Inside” (74 minutos). Ele vale, sozinho, o preço da caixinha. O suplemento apresenta uma porção de imagens raras e discute habilmente a produção dos três filmes da série, sem seguir a ordem cronológica dos trabalhos. O melhor de tudo é que esse documentário, produzido durante as filmagens do terceiro capítulo da saga, não hesita em examinar farta e minuciosamente as ferozes brigas entre Coppola e os executivos da Paramount durante as produções. Curiosamente, o mesmo estúdio banca a caixa de DVDs.

Poucas vezes um documentário conseguiu ir tão à fundo nos bastidores da política exercida pelos milionários de Hollywood. É surpreendente que a própria Paramount lance esse produto comercialmente. Além disso, são tantas imagens raras que listá-las aqui inviabilizaria uma reportagem: há diversos testes feitos por atores que não foram escalados, discussões entre Mario Puzo e Coppola sobre os roteiros, seqüências que deram errado, cenas de reuniões na casa do cineasta em várias épocas e, claro, depoimentos francos e reveladores de Al Pacino, Robert De Niro, James Caan, Robert Duvall e do próprio Coppola.

Quem não ficar satisfeito pode ir direto para outros suplementos. Um featurette bacana mostra o desenhista de produção, Dean Tavoularis, voltando às ruas de Nova Iorque onde as gravações aconteceram (outra teimosia do jovem Coppola: ele filmou 90% do primeiro filme em locações reais e dispensou os estúdios); há dois documentários que focalizam as trilhas sonoras, e um terceiro sobre os roteiros; em mais dez minutos, o próprio diretor apresenta o fichário onde ele colava as páginas mais importantes do livro e fazia anotações manuscritas sobre como queria cada cena do primeiro capítulo (“o caderno era mais importante do que o roteiro”, diz Coppola).

O fotógrafo Gordon Willis também ganha um mini-documentário, para explicar a decisão de filmar as cenas com iluminação de cima para baixo – o objetivo era esconder os olhos de Marlon Brando para enfatizar o senso de mistério do personagem, e essa decisão terminou por deixar toda a saga com os tons dourados, carregados de sombras, que a partir dali influenciariam praticamente todos os filmes de época feitos em Hollywood.

O disco de extras das caixinhas lançadas em 2008 trazem um novo documentário em duas partes detalhando as confusões de bastidores que envolveram a produção do capítulo inicial da trilogia. Há ainda um featurette bacana com cineastas (como Steven Spielberg e William Friedkin) tentando explicar as razões para a incrível penetração da série na cultura norte-americana (10 minutos), e outro, extremamente didático e esclarecedor, focalizando o processo de restauração (19 minutos). Outros dois featurettes são meras bobagens – um deles traz os atores de “Cloverfield” falando sobre a trilogia, e o outro consiste de trechos de entrevistas cortadas.

Além dessa viagem aos bastidores das produções, há ainda comentários em áudio de Coppola para os três filmes. Esses comentários aparecem em todas as versões da trilogia, o que é muito bom, já que Coppola sabe o que diz e oferece uma verdadeira aula de narrativa cinematográfica para cinéfilos. São nove horas que cobrem a saga de três gerações da família Corleone, a mais romântica e poderosa da máfia norte-americana na primeira metade do século XX.

Entre os três filmes, é praticamente impossível escolher um. A coerência visual e narrativa do trio de obras dá um novo significado à palavra “trilogia”. O segundo filme, com duas narrativas paralelas, é considerado por muita gente o melhor. O terceiro, que outros tantos consideram fraco, amarra as pontas com uma trama melancólica e corajosa. E o primeiro, que narra a impressionante transformação do jovem Michael Corleone (Pacino), de militar dedicado em mafioso implacável, tem talvez a cena de interpretação mais genial do cinema: Michael Corleone vingando os assassinos do pai, num restaurante novaiorquino. De cair o queixo. Uma dica? Reserve um domingo e veja tudo em seqüência. Programão!

– O Poderoso Chefão (Edição de Colecionador)
Direção: Francis Ford Coppola
Elenco: Al Pacino, Marlon Brando, Robert De Niro, Andy Garcia, James Caan
Duração: 543 minutos (três filmes)

| Mais


Assine os feeds dos comentários deste texto


13 comentários
Comente! »