Retorno da Pantera Cor-de-Rosa, O

04/11/2008 | Categoria: Críticas

Neste filme, o personagem que imortalizou Peter Sellers na galeria dos maiores comediantes do cinema ganhou características definitivas

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★☆☆

Embora tenha se transformado em uma rentável franquia cinematográfica, a série envolvendo as aventuras do atrapalhado inspetor Jacques Clouseau (Peter Sellers) nunca foi planejada como tal. Tanto é verdade que o terceiro exemplar, “O Retorno da Pantera Cor-de-Rosa” (The Return of the Pink Panther, Reino Unido, 1975), demorou exatos 11 anos para ver a luz do dia. Para muitos fãs, aliás, trata-se do melhor filme da série (a rigor, divide essa façanha com o longa-metragem seguinte, “A Nova Transa da Pantera Cor-de-Rosa”). Foi nesse filme que o personagem que imortalizou o inglês Sellers na galeria dos maiores comediantes do cinema ganhou suas características definitivas.

Ao contrário do que muita gente pensa, Clouseau não nasceu como protagonista da série. O policial trapalhão, tão burro que se acha gênio, servia apenas como alívio cômico no trabalho inaugural, de 1963. Já nas filmagens, Sellers se destacou tanto que o diretor Blake Edwards desenvolveu para ele um filme-solo, filmado logo depois e lançado somente três meses após o primeiro. A partir daí, Edwards e Sellers iniciaram uma parceria frutífera para ambos, mas abandonaram o personagem por muitos anos. Clouseau poderia ter sido esquecido para sempre, se os estúdios MGM não tivessem a idéia de criar uma série de TV para ele. Blake Edwards começou a desenvolver o projeto, e o estúdio acabou preferindo transformar a idéia num movo longa-metragem. Foi assim que “O Retorno da Pantera Cor-de-Rosa” nasceu.

Graças aos 10 anos afastado do personagem, Peter Sellers pôde trabalhar com calma na composição, acentuando ainda mais as características cômicas dele. Craque em sotaques, o ator britânico passou a falar inglês com forte acento francês, ausente dos filmes anteriores. Suas expressões corporais também ficaram mais exageradas, com um pé na pantomima circense. Clouseau ganhou a mania de adotar disfarces exóticos para investigar seus casos, e também um criado carateca com quem travava brigas homéricas dentro de casa, apenas para treinar artes marciais que nunca utilizava no trabalho. “O Retorno da Pantera Cor-de-Rosa” é o primeiro longa-metragem em que a personalidade definitiva de Clouseau aparece em todo o seu esplendor.

A trama, por sua vez, resgata o enorme diamante que serviu como McGuffin (objeto perseguido pelos personagens, mas cuja importância para o público é mínima) no longa-metragem inicial. Depois que a jóia é roubada mais uma vez por um assaltante mascarado que deixa no local uma luva branca com a letra P, os olhos da polícia se voltam para o ex-ladrão Sir Charles Litton (Christopher Plummer), agora aposentado. Ele era o Fantasma, homem que tinha o hábito de provocar os policiais com luvas idênticas. Para não ser incriminado, Litton sai à caça do verdadeiro culpado, enquanto é perseguido por Clouseau. Deixando de lado as preocupações românticas do primeiro filme, “O Retorno da Pantera Cor-de-Rosa” investe pesado na comédia física, no limite do pastelão, como indica a cena em que Clouseau é apresentado – enquanto discute com um cego que pede esmolas na rua, o inspetor permite que um banco seja assaltado bem deixado do seu nariz.

O maior destaque do filme, sem dúvida, é a performance impecável de Peter Sellers, completamente à vontade na pele do personagem. O diretor, Blake Edwards, só peca por incluir poucas cenas com o superior hierárquico de Clouseau, inspetor Dreyfus (Herbert Lom), cuja implicância com o agente atrapalhado cresce a olhos vistos no decorrer da história. A química existente entre Peter Sellers e Lom é absoluta, e os poucos encontros entre ambos rendem momentos bem engraçados. Esse pequeno vacilo seria corrigido no filme seguinte da série, “A Nova Transa da Pantera Cor-de-Rosa”, lançado apenas um ano depois, em que Dreyfus enlouquece e se transforma no antagonista de Clouseau. Mas essa já é outra história.

O DVD nacional leva o selo da Fox e não contém extras. A imagem tem enquadramento original preservado (widescreen 2.35:1 anamórfico) e áudio em seis canais (Dolby Digital 5.1).

– O Retorno da Pantera Cor-de-Rosa (The Return of the Pink Panther, Reino Unido, 1975)
Direção: Blake Edwards
Elenco: Peter Sellers, Christopher Plummer, Herbert Lom, David Lodge
Duração: 113 minutos

| Mais


Assine os feeds dos comentários deste texto


Um comentário
Comente! »