Revelação

07/10/2003 | Categoria: Críticas

Direção classuda, tema batido, atuações acima da média: nem todo filme de suspense sobrenatural tem isso tudo

Por: Rodrigo Carreiro

NOTA DO EDITOR: ★★★½☆

O diretor Robert Zemeckis é o maior e mais talentoso seguidor de Steven Spielberg. Depois de começar a carreira de diretor sob as bênçãos do homem mais rico de Hollywood, ele rapidamente tornou-se um dos nomes de ponta na invasão da tecnologia no meio cinematográfico, na década de 80, através da inteligente e divertida trilogia “De Volta para o Futuro”. Com “Uma Cilada para Roger Rabbit”, fez o primeiro e mais bem sucedido filme que uniu personagens digitais e atores de carne e osso. Com “Forrest Gump”, de 1994, Zemeckis iniciou um momento de ruptura em sua carreira bem semelhante ao experimentado pelo guru Spielberg. Ele não queria mais ser um diretor do filmes-pipoca: desejava passar para o time dos autores sérios. Em resumo, queria virar um artista.

Curiosamente, nessa busca pelo reconhecimento, Zemeckis só foi inteiramente bem sucedido com “Forrest Gump”. Abocanhou Oscars de Melhor Filme e Diretor, foi elogiado por quase todo mundo e faturou horrores nas bilheterias. Depois iniciou uma estrada ladeira abaixo: escorregou na ficção científica “Contato” (que é boa, mas foi injustamente malhada pelos fãs) e quebrou a cara com o fraco “Náufrago”, sua segunda parceria com o astro Tom Hanks. No intervalo de um ano em que aguardava que o ator perdesse trinta quilos para finalizar esse último filme, Zemeckis ousou novamente. Rabiscou um projeto meio às pressas e enfiou a cara no trabalho para terminar “Revelação” (What Lies Beneath, EUA, 2000).

O mais curioso é que, lançado sem pretensão, “Revelação” acabou alçado de obra menor na carreira do diretor a filme melhor e mais bem sucedido do que o projeto de Tom Hanks. Não que “Revelação” seja uma obra-prima, porque é desigual, apesar de ser uma excelente carta de apresentação de um diretor de cinema tecnicamente brilhante. Zemeckis capricha na encenação, com longos planos-seqüência que valorizam as atuações seguras de Harrison Ford e Michelle Pfeiffer, e investe pesado nas citações e referências a filmes clássicos do gênero, como “O Iluminado” (o banheiro como cenário-chave), “Psicose”, “Janela Indiscreta” e o clássico de casas mal-assombradas “Os Inocentes”.

Por outro lado, o uso abusivo de clichês do gênero (a presença insistente de espelhos como recurso para pregar sustos e falsos sustos na platéia) acentua o caráter desigual do longa-metragem, que ainda assim cumpre bem a função de dar alguns sustos e prender o espectador durante duas horas. Além do mais, possui uma edição de som muito boa, que lembra o mestre Alfred Hitchcock: muitos momentos de silêncio absoluto e instantes de verdadeiro suspense, sem apelar para a barulheira desenfreada na hora do medo. De modo geral, prepare-se para ver o coração bater acelerado desde a primeira cena, e isso é ótimo num filme do gênero.

Na trama, uma dona-de-casa bonita e apaixonada (Michelle Pfeiffer, mostrando mais uma vez que é boa atriz) começa a ouvir sons estranhos e a deparar-se com portas abertas, ao mudar-se para uma casa nova, à beira de um lago e isolada. Apavorada, ela começa a acreditar que trata-se do fantasma da esposa do vizinho, que ela acredita ter visto ser morta. O marido dela, um cientista e professor renomado (Harrison Ford), acha que é tudo fruto de estresse. A moça investiga o caso e descobre algumas revelações surpreendentes. Atenção para a cena da banheira (nada a ver com o chuveiro de Hitchcock em “Psicose”), um momento arrepiante e muito bem dirigido. A decepção mesmo fica para a última meia hora, onde o ritmo cai muito e a trama chega a um final patético e previsível.

O DVD nacional da Fox traz apenas o filme (widescreen, Dolby Digital 5.1) e não tem extras.

- Revelação (What Lies Beneath, EUA, 2000)
Direção: Robert Zemeckis
Elenco: Michelle Pfeiffer, Harrison Ford, Amber Valleta
Duração: 130 minutos

| Mais

GOSTOU DO FILME? DÊ SUA NOTA

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas (6 votos. Média de 2,83 em 5)
Loading ... Loading ...


Deixar comentário