Biografia dos Simpsons

03/10/2003 | Categoria: Outros textos

Entenda o sucesso surpreendente e duradouro da família mais aloprada da TV norte-americana

Por: Rodrigo Carreiro

O segredo do sucesso do seriado “Os Simpsons” pode ser resumido em uma palavra: ousadia. É preciso compreender bem o cenário em que o universo da família amarela surgiu, nos EUA da década de 1980, para perceber o motivo de pouca, pouquíssima gente botar fé num seriado ácido, que satirizava de forma implacável a tradicionalista e conservadora família norte-americana.

Em 1987, quando os Simpsons apareceram pela primeira vez, como um curto segmento de 30 segundos no programa de variedades Tracey Ullman Show, os EUA atravessavam um período altamente conservador, que culminaria com três mandatos consecutivos de republicanos na Casa Branca (duas vezes com Ronald Reagan e uma com George Bush, o pai).

Naquele ano, o produtor da Fox, James Brooks, tinha lido algumas tirinhas do cartunista Matt Groening, “Life In Hell” (Vida no Inferno), e gostado do senso de humor crítico e mordaz. Numa conversa com Groening, este lhe apresentou os primeiros esboços dos Simpsons. Brooks curtiu a idéia, mas teve medo de apostar numa série. Preferiu encaixar o desenho como um segmento do programa de variedades mais importante da Fox.

A estratégia deu certo e os Simpsons tornaram-se sucesso de público e crítica. Em 1989, ganharam um especial de Natal amplamente aplaudido, o que garantiu o início da série regular. De lá para a cá, o sucesso cresceu. Não adiantaram as críticas de Bush – o pai do atual presidente dos EUA, em campanha para a reeleição, detonou o desenho, apontando-o como “corruptor dos valores que movem a família americana”. Acontece que a família americana acha bacana ser detonada em horário nobre. A propósito, Bush perdeu a eleição para Bill Clinton…

Os episódios iniciais do desenho foram traçando o perfil dos membros da família. Eram pai, mãe e três filhos, sujeitos de classe média baixa, que moravam numa cidadezinha chamada Springfield (curiosidade: existem dezenas de povoados com esse nome nos EUA). Uma turma viciada em TV, hambúrger e boliche, retrato fiel da família americana. Em resumo, uma crítica ácida, mas muito sutil, o que fez com que o desenho fosse adotado por gente de todas as idades.

A série também chamava a atenção por apostar numa animação mais tosca. Assim, Homer Simpson é o patriarca, um funcionário de usina nuclear (eventualmente desempregado) que adora beber cerveja e jogar boliche. Marge, a esposa, anda acomodada no papel de dona-de-casa. Bart, 10 anos, é uma criança travessa e esperta, autor das tiradas mais impagáveis do desenho. Lisa, 8 anos, não pára de pensar na faculdade. Enquanto isso, lê um bocado, toca saxofone e é vegetariana. Por fim, Maggie só tem um ano, sabe soletrar o próprio nome e ainda tenta aprender a andar sem cair. Sujeitos normais, não?

Se o público aprendeu a amá-los, a série conseguiu mais do que isso. Emplacou 14 anos consecutivos de críticas quase unânimes e influenciou, visual e tematicamente, outras séries que vieram satirizar a sociedade americana: “Beavis & Butthead” e “South Park”. Hoje, a audiência média do desenho é de 8 milhões de espectadores. Pode esperar, os Simpsons ainda vão dar muito o que falar.

| Mais
Tags:


Assine os feeds dos comentários deste texto


8 comentários
Comente! »